Monitoramento da qualidade das águas – importância das informações na gestão ambiental integrada

A água, sem sombra de dúvidas, constitui um dos recursos naturais mais importantes e, por consequência, fundamental à vida, pois regula o clima no planeta e é indispensável para o equilíbrio e conservação da biodiversidade.

Historicamente, sob o ponto de vista de saúde pública, surtos de doenças de veiculação hídrica foram afastados dos grandes conglomerados urbanos a partir da implantação do saneamento básico, procurando acompanhar o crescimento demográfico.

A legislação brasileira estabelece que os usos mais nobres da água são o abastecimento público e a preservação da vida aquática. Dependendo do uso a que é destinada, a água deve reunir características mínimas de suas propriedades para se obter a qualidade requerida a cada finalidade.

O controle da qualidade das águas depende, além do conhecimento de suas propriedades, também do conjunto de resultados que definem suas características físicas, químicas ou biológicas. Esse conjunto de resultados, submetido a tratamentos e interpretação técnica, oferece ao usuário suporte nos estudos e programas, com vistas à melhoria e à  manutenção da boa saúde pública.

No Estado de São Paulo, além do controle regulamentado da qualidade da água para o consumo humano, pelos operadores de água e esgotos, a CETESB – Companhia Ambiental do Estado de São Paulo realiza o monitoramento da qualidade das águas brutas dos corpos hídricos e dos efluentes dos sistemas de tratamento, como parte integrante de sua atribuição institucional.

O programa de monitoramento da qualidade das águas, desempenhado pela CETESB desde o início dos anos 1970, possui abrangência espacial adequada com pontos de amostragem distribuídos ao longo das 22 bacias hidrográficas do estado de São Paulo, permitindo acompanhar a qualidade das águas superficiais dos principais rios e represas, da água subterrânea de nossos aquíferos, das águas costeiras e a balneabilidade das praias paulistas.

O conjunto de dados e informações gerado pela CETESB e dados sobre quantidade, gerados pelo DAEE – Departamento de Águas e Energia Elétrica, durante cada ano, traz importante contribuição para aqueles que estudam, fiscalizam, controlam, distribuem ou gerenciam recursos hídricos de forma integrada.

Programas e ações específicas de fiscalização e controle, como o recentemente executado no rio Pinheiros, fazem uso contínuo das informações geradas nas redes de monitoramento, mesmo porque estas oferecem dados confiáveis, tratados sob rigoroso controle de qualidade.

Relatórios sobre as condições de qualidade das águas paulistas são publicados anualmente pela CETESB e os resultados das análises laboratoriais são disponibilizados, em tempo real, no sistema INFOAGUAS, livremente disponível na internet (acesse aqui).

Compartilhe
WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Email
Imprimir
Outros colunistas

Cadastro

Cadastre-se e fique por dentro das novidades da Revista Saneas.